blog

terça-feira, junho 30, 2009

Alma Benfiquista

Glória aos vencedores e honra aos vencidos. Campeões de Futsal contra um adversário que deu tudo o que tinha e dificultou em muito o nosso triunfo. Mas disso falaremos noutro post.

Neste quero glorificar a alma benfiquista, a única e inigualável alma benfiquista que esteve presente no pavilhão da Luz. É impressionante que após mais uma época de total fracasso no futebol principal onde pelo quarto ano consecutivo ficamos longe do primeiro lugar, numa altura onde eleições conturbadas atrofiam o espírito da família benfiquista, ela não desiste e enche um pavilhão de alegria e festa que apenas a família benfiquista consegue fazer. Podemos ser exigentes, podemos ser do 8 ou 80 mas somos únicos no amor que temos ao nosso clube. Aquele pavilhão fervilhava de amor, ninguem pensou em clubes que não estavam presentes. Apenas e só Benfica e algumas, naturais, bocas ao adversário do jogo.

Foi lindo ver a forma como Bebé cantava o Ser Benfiquista, foi lindo ver a forma como Ricardinho beijava o glorioso simbolo e falava do clube e dos benfiquistas, as lágrimas de Pedrinho. A união daquela equipa com o Benfica e benfiquistas. Aquilo é a Alma Benfiquista.

E há que dizê-lo, Rui Costa. A alegria daquele homem, qual Director Desportivo qual quê, ali estava um benfiquista como qualquer um de nós, a vibrar, a cantar, a amar o seu Benfica. Aquilo é Alma Benfiquista. E é por isto que os outros tanto odeiam o grande Maestro. Eles queriam ter igual mas não têm e nunca terão. Por aquilo é material benfiquista, aquilo é amor a um clube.

Este amor ao Sport Lisboa e Benfica....é forte demais. É a Alma Benfiquista. Somos todos nós.

segunda-feira, junho 29, 2009

Ao trabalho

Hoje o plantel profissional de futebol do Sport Lisboa e Benfica regressa ao trabalho para mais uma época de emoções. É mais um ano que começa com uma cara nova aos comandos da equipa técnica, desta vez é o português Jorge Jesus que tem como missão levar o futebol do clube aos mais altos voos possíveis.

É o recomeçar do trabalho e o recomeçar da esperança, da expectativa, dos sonhos. Vencer é e será sempre a palavra de ordem no Sport Lisboa e Benfica. Quem não conseguir viver com essa pressão não terá lugar no nosso enorme clube.

Começamos o trabalho com algumas caras novas no plantel, sendo Saviola o nome mais sonante, Ramires o nome mais consensual, Patric a esperança e Shafter a incógnita. Katsouranis deverá estar de saída enquanto que Nuno Gomes deverá ver hoje definido o seu futuro. O presidente demissionário garante que ninguém será vendido e que pelo menos mais uma contratação será feita. Acreditando nas palavras dele o Benfica prepara-se para a época 2009/10 com um excelente plantel, mantendo a estrutura principal do ano transacto, reforçando as laterais defensivas e dando qualidade indiscutível no meio campo e avançada.
Um novo treinador significa novos métodos, fase de conhecimento, criação de rotinas. Mas o treinador já afirmou que não precisa de muito tempo e que em breve a equipa jogará à sua imagem. Não faço prognósticos. Estou confiante no trabalho de Jesus e na qualidade do plantel, mas é verdade que também estava o ano passado.
Tenho a certeza que os adeptos, tal como no ano passado, serão os melhores adeptos do mundo no incansável apoio à equipa.

É tempo de arregaçar as mangas e trabalhar para transformar todos os nossos sonhos em realidade.

FORÇA BENFICA!!

sexta-feira, junho 26, 2009

Javier Saviola

Confirma-se. Saviola é do Benfica por 3 temporadas, mais uma de opção.
Agora só espero que não se ponham com ideias de vender Cardozo. Os dois vão arrasar!

A confirmação aqui

quinta-feira, junho 25, 2009

UMA ENTREVISTA À BENFICA

O primeiro milagre de Jesus

Gostei da entrevista de Jorge Jesus ao jornal A BOLA. Devolveu-me alguma ilusão e sobretudo atingiu-me na esperança. Um treinador sem conflitos interiores e um homem que acredita nas suas ideias. Até pode morrer com elas, mas morrerá com as suas, não com as de outros. É o porta-estandarte de si próprio, não se bate pela convicção alheia, oferece-se ao sacríficio de morrer num campo de batalha escolhido por si.

Com esta entrevista, aliás, percebo que Jesus já escolheu esse campo de batalha. Será o estádio da Luz e será ali, durante toda a época, que Jesus travará o combate da sua vida e da sua carreira. Contra os lenços brancos, contra a desconfiança patológica dos adeptos do Benfica pelos treinadores que falem português, contra a insegurança de uma estrutura que escolheu, nos últimos anos, esconder-se sempre atrás dos treinadores.

Depois desta entrevista, todos percebemos, Jesus percebeu, que, em caso de derrota, perde sozinho, em caso de vitória, a fotografia será pequena para caber tanta gente.

É uma boa oportunidade para esclarecer a qualidade e a certeza de algumas fontes. Já escrevi sobre Jesus no Mágico, como todos se lembram. E como sempre acontece, escrevi no uso de informação que sempre tive a garantia de ser a mais fidedigna. Alguns comentadores decidiram atacar o mensageiro, porque a mensagem não lhes agradou. E foi discutida a seriedade das minhas fontes.

Pois agora, posso revelar o seguinte. Sobre Jesus estou muito bem documentado. Até várias semanas atrás, fui consultor pessoal de imagem e de comunicação de Jorge Jesus. Sei o que ele pensa sobre o Benfica, sei o que pensa agora e pensava há poucas semanas atrás Rui Costa sobre Jorge Jesus, sei porque Jorge Jesus foi agora contratado com um ano de atraso em relação à vontade inicial de Luis Filipe Vieira, sei como jogam as equipas de Jorge Jesus, sei o que ele se propõe fazer no Benfica, sei o que ele me disse, amiúdadas vezes, durante a época passada, sobre a equipa do Benfica e de como faria diferente se fosse treinador do clube e sei, por último, desde quando o FC Porto mantinha, ou pensava manter, sobre Jorge Jesus uma espécie de tutoria moral e quase jurídica. Sei da participação de Antero Henrique, director-geral da SAD do FC Porto nas negociações, há um ano atrás, que levaram Jorge Jesus do Belenenses para Braga, com o único objectivo de o contratar mais tarde para o FC Porto. Aliás, sei igualmente que os directores do FC Porto tentaram sabotar a transferência de Jesus para o Benfica até ao limite do moralmente tolerável. E sei, sobretudo, que Jesus está com uma vontade danada de ganhar.

Numa das minhas últimas conversas com Jorge Jesus, como consultor de imagem, disse-lhe que o desafio do Benfica seria o maior da sua carreira. Não lhe mencionei apenas o prestígio e grandeza do clube, falei-lhe das dificuldades de treinar o Benfica. Senti-o desafiado a demonstrar que pode ser o homem certo no lugar certo. Com o objectivo de testar a sua crença, a sua convicção, perguntei-lhe se não tinha medo de ser o homem certo na altura errada. O cemitério de treinadores ainda agora sepultou mais um homem de boas ideias e melhores convicções. Eu tenho a absoluta certeza de que Jesus é o homem certo. Tenho dúvidas se a altura é a mais indicada. Foi isto que lhe disse. Foi o que conclui do meu exame de consciência.

Esta entrevista, para mim, foi o prolongamento da nossa última cimeira. Acima das desconfianças dos outros, está a vontade própria. Uma sede de vitórias e um discurso aprumado. O discurso, a imagem, a sua colocação perante as câmaras de televisão, a forma como demonstrava firmeza nas palavras e insegurança nos gestos, foram aspectos que Jorge Jesus foi tentanto corrigir, nos últimos meses. Do ponto de vista da comunicação e da gestão da sua imagem, Jesus não é um projecto acabado e por isso deve ser defendido pelo clube e pelos seus profissionais. Se o vão fazer ou não, isso é lá com eles. O trabalho que ainda consegui fazer levou-o ao Benfica e levou-o a conseguir uma boa imprensa. Agora, tudo será diferente. Na escala e na proporção do que forem os resultados.

Jorge Jesus é uma pessoa genuina, boa e competente. Muito competente. Gostei de trabalhar com ele, de colaborar com ele, de o encaminhar para as mensagens correctas. Com Jorge Jesus é um trabalho que nunca se esgota, porque pode sempre descarrilar, especialmente, se o resultado não o favorecer. O Benfica e o seu director de comunicação devem olhar para Jorge Jesus como uma planta que deve ser regada todos os dias. E, sobretudo, não aceitar uma exposição mediática que o desproteja e o desloque do seu meio ambiente preferido.

Ter Jorge Jesus no Benfica é ter mais um motivo para desejar que o Benfica vença. Há quatro meses atrás disse-lhe: «Estes próximos meses serão cruciais na sua carreira. Ou é agora ou nunca. Não lhe garanto um contrato com um dos grandes clubes portugueses, mas garanto-lhe que ficará mais perto de o conseguir.» Conseguiu e acho que escolheu o melhor. Assim o Benfica saiba merecer essa escolha.

Meu caro Jorge, as minhas desconfianças em relação a alguns dos aspectos que discutimos sobre a orgânica interna do Benfica, mantêm-se actuais. Mas uma coisa lhe digo. Se me perguntam, se eu acredito? Eu acredito. Podemos ser campeões na próxima época? «Yes, we can». Por sua causa e apesar do resto.

PS: Quando alguém decidir rebater os meus argumentos, de cada vez que o assunto for Jorge Jesus, talvez seja conveniente espreitar de novo este texto. Talvez assim se possa evitar o depósito de mais algumas asneiras na blogosfera benfiquista.

Intenção de voto

Com o aproximar das eleições para o cargo de Presidente do Sport Lisboa e Benfica é tempo de tomar decisões no que diz respeito ao sentido de voto que cada sócio do clube irá expressar no dia 03 de Julho.

Sempre assumi as minhas posições e sempre dei a cara por elas, para o bem e para o mal, se por um lado posso ter ganho algum respeito por isso por outro ganhei também uns quantos "inimigos". O Mágico SLB tem uma política, uma religião: o Glorioso Benfica. Nada mais, nada menos. Os seus bloggers e habituais comentadores são livres e independentes de expressar as suas opniões sejam elas concordantes ou discordantes das minhas. Por isso este post não os cola à minha opnião nem ao meu sentido de voto.

Eu não votarei Vieira. Nunca votei e só uma mudança ultra radical dos acontecimentos é que me faria votar nele. Não gosto de Vieira, não gosto do seu reinado como líder do Benfica, não gosto da sua postura, não gosto do seu discurso, não gosto das suas acções. Em 8 anos só o defendi (e defenderei) no papel crucial que teve em não deixar morrer o Apito Dourado. A falta de um projecto coerente, a fuga fácil de culpar todos menos ele quando as coisas correm menos bem, a demagogia, a incoerência de discurso de ora ataca o Apito Dourado ora defende o Major, ora diz que não participa na Taça da Liga ora apoia o Hermínio...enfim...não dá. Mas eu nunca acreditei nele, nunca lhe dei a minha confiança portanto, nesse aspecto, não me sinto minimamente defraudado. Nunca esperei outra coisa que não isto, infelizmente. Dava o dedo mindinho do pé para tudo ter sido diferente e agora estar aqui a tecer enormes loas a Vieira.

Mas também não irei votar noutro candidato. Bruno Carvalho tem um discurso que abomino. E, por incrível que pareça, é um discurso que vejo repetido, há longos anos esta parte, na boca de milhares de benfiquistas: o discurso de elevação de Pinto da Costa como mestre na arte de triunfar ignorando por completo todo a corrupção que está colada ao flautulento líder da máfia azul. Este discurso perfeitamente estúpido e totalmente alheado da realidade tem sido arma de Bruno Carvalho desde que apareceu na blogoesfera e isso para mim chega para opinar sobre o dito: Não serve.

Portanto estamos neste ponto, dois candidatos fracos, incapazes de levar o Benfica para o lugar que todos desejamos. E eu não vou votar em nenhum deles. A minha dúvida é se voto nulo ou em branco. Alguém sabe dizer se estes votos têm algum valor nas eleições do Benfica? Por exemplo, nas eleições para Presidente da Republica estes votos são irrelevantes enquanto que nas legislativas são contabilizados.

Sei que Vieira irá ter nova vitória esmagadora. Não tenho muita vontade para refutar muitos dos elogios que dão a Vieira e à sua obra, já é muita conversa gasta com esses assuntos. Só espero, do fundo da minha alma benfiquista, que daqui a 3 anos muitos de vós me digam que eu estava enganado.

terça-feira, junho 23, 2009

Um Olho à Benfica #12

Cuidado com a propaganda

Meus caros: Gostaria, em primeiro lugar, de agradecer a simpatia e o afecto com que fui tratado por alguns de vós, em respeito pela dor pessoal e intransmissível que resultou do desaparecimento físico de uma pessoa de que muito gostava. Obrigado pela vossa solidariedade e estou certo que compreenderão que o meu luto sobrepõe-se, momentaneamente, à minha vontade em escrever sobre o Benfica ou debater o nosso clube.

Porém, ao contrário do que foi insinuado por algumas penas de aluguer do vieirismo instalado que sobrevoam a blogosfera, não vou desistir de escrever sobre o Benfica. Primeiro, porque é ponto de honra, desde o início da minha colaboração no Mágico SLB, segundo porque me diverte a escrita sobre o tema Benfica e terceiro porque, desde que iniciei o espaço "Olho à Benfica" fiquei a conhecer outros benfiquistas de qualidade humana excepcional e de um benfiquismo absolutamente notável. Desde essa altura, com a convivência, pessoal ou pela net, com esses benfiquistas, que comecei a colocar certas coisas em perspectiva. Não há nenhum benfiquista que não tenha os seus notáveis. Eu também tenho os meus. Mas não se chamam Bagão, Tadeu, Veiga, Vieira, Moniz ou qualquer outro nome próprio que tenha carreira produzida nos meios de comunicação social. A partir de agora, chamam-se Pedro, Bizarro, Americano, Ricardo, Starblade, Dexter, Cattenaccio e muitos outros nomes e “nicknames” que fazem o favor de considerar minimamente interessante o que vou continuamente escrevendo.

Mesmo os que discordam de mim, desde que o façam argumentativamente, sem ofensas nem insinuações. O benfiquismo nunca foi uma doutrina, foi e sempre será um estado de alma. O nosso gosto pelo Benfica sempre se sobrepôs à simpatia que possamos ter pelas pessoas que o representam ou servem. O Benfica, para todos nós, é muito mais do que uma campanha que ressalta do insulto e da má-criação. É muito mais do que a propaganda que hoje ocupa grande parte do discurso oficial. É muito mais do que a patética pretensão de enganar os benfiquistas, com delírios jornalísticos publicados com interesses inconfessáveis dos seus autores. É muito mais do que iludir os benfiquistas com anúncios propagandísticos de que existe às portas do estádio da Luz, um cortejo de carros de assalto espanhóis a mando de uma conspiração internacional contra o capital da SAD e contra o controlo dos direitos televisivos.

De repente, o actual presidente do Benfica, descobriu essa conjura e estabeleceu com um jornal desportivo a forma de desmontá-la publicamente. Os benfiquistas, pelo menos os mais desconfiados de mais esta bravata do presidente do clube, querem provas? Meus caros, tê-las-ão, no futuro, quando o presidente do Benfica decidir juntá-las à peça principal do processo-crime que prometeu contra duas publicações do Grupo Cofina e que ainda não conseguiu cumprir. São promessas, se quisermos, eleitorais de Luís Filipe Vieira, que o presidente do clube tratará de realizar, de modo a que estas não se confundam com outras, do género “equipa maravilha”, “O Benfica será imparável na Europa” e “qualquer treinador do Mundo gostaria de estar no lugar de Fernando Santos”. Outras imparáveis tiradas de Vieira seria possível juntar a esta pequena colectânea de prometidos desfalques de hegemonia nos adversários, nacionais e internacionais.

O que é verdade é que o presidente do Benfica tornou possível, nos últimos dias, a demonstração de que o clube está a ficar diferente. Um clube dividido por guerras sanguíneas, por separação de interesses e sobretudo por um desejo do actual poder em dividir os benfiquistas em duas categorias: os que estão do lado da direcção e que são os bons benfiquistas, e os outros, infelizmente para Vieira, em número crescente, os maus benfiquistas, aqueles que não calam, não consentem e não se deixam assustar por mensagens tirânicas de liquidação física. Um exemplo: “VAIS MORRER”. Eu sei que vou morrer, um dia, e não preciso que um qualquer energúmeno me relembre o facto. Mas também tenho a certeza de que o dia em que isso acontecer será da responsabilidade do Criador e não de um sms estúpido e anónimo. Este maniqueísmo que Vieira trouxe para o Benfica, com a tentativa de eliminar, pelo medo e pela intimidação, toda a gente que se oponha ao regime monárquico que pretende instaurar no clube, vai provocar a ruína de um dos princípios básicos do benfiquismo. O de que não há bons nem maus benfiquistas e de que todos seremos sempre poucos para ajudar o clube na recuperação da hegemonia do desporto em Portugal.

A estratégia de Vieira é simples e o jornal A BOLA promete dar-lhe toda a cobertura editorial: Venceremos pela propaganda. E, provavelmente, esta estratégia pode vencer no imediato, a 3 de Julho. Mas é uma vitória de Pirro, que vai dividir os benfiquistas, que atira o clube para um clima de auto-destruição e Vieira para a fuga final.

Por isso, eu também vou fazer aqui a minha promessa. Depois das eleições – até nisto o presidente do Benfica criou um problema desnecessário – comentarei as medidas que Luís Filipe Vieira se prepara para anunciar, assim que seja reeleito. Duas delas serão de natureza financeira e outra de alcance estatutário. Talvez aí mais alguns benfiquistas percebam em que é que o Benfica anda metido e que as preocupações com o terrível assalto ao capital da SAD e direitos televisivos não esteja a ser preparado com chaimites espanhóis. Até podem ser portugueses.

segunda-feira, junho 22, 2009

Benfica-Porto (Juniores)

Perdemos uma excelente oportunidade de nos sagrarmos já campeões nacionais de Juniores. Foi pena porque a equipa fez por isso. 3 bolas nos ferros, uma série de boas defesas do guarda-redes portista, pelo menos um penalty não assinalado, a nosso favor e quando a equipa está já a entrar na fase de descrédito surge o golo do Porto através de um penalty, aos 89 min.. Valeu a reacção final da equipa com um golaço de Roderick Miranda e uma grande oportunidade por Yartley que podia ter dado os 3 ponto.
Destaques no Benfica: Danilo, Leandro Pimenta, Nelson Oliveira e Mário Rui (que pena ter-se lesionado).
Sendo assim o título será decidido na Academia do Freeport, o que não vai ser nada fácil. No Benfica os 2 laterais esquerdos não vão puder jogar assim como David Simão.





PS. Lamentáveis os comentários de José Carlos Soares para a Benfica TV!

domingo, junho 21, 2009

CAMPEÕES NA PRAIA

Mais uma vitória

O Benfica foi campeão nacional de futebol de praia. Isto pode ser uma notícia irrelevante, mas considero que uma vitória daquelas camisolas vermelhas que nos fazem saltar, nunca é irrelevante. E se considerarmos que a final foi disputada contra o FC Porto, então essa vitória dos nossos jogadores na praia nunca será areia demais para a nossa camioneta.

Resultado final: 4-2 (2-1 nas grandes-penalidades)

António Veloso não é jogador de futebol de praia, mas se o fosse, gostaria que tivesse apontado a grande-penalidade decisiva. Desde aquela maldita final de Estugarda que acho que o nosso capitão teria merecido essa espécie de reparação moral. Aliás, num próximo jogo de apresentação do Benfica, no estádio da Luz, a direcção do Benfica devia convidar António Veloso e o guarda-redes Van Breukelen, para reconstituir essa grande-penalidade. E dar a oportunidade de um dos nossos maiores valores, perante um estádio cheio de benfiquistas, de reescrever a história. Bem sei que Veloso é um dos apoiantes do Movimento, mas se o presidente do Benfica já se manifestou tolerante com a ideia de aceitar boas ideias, tem aqui a oportunidade de se mostrar magnânime com um dos mais destacados capitães do Benfica, castigado injustamente pelo futebol e pela incerteza demonstrada dos "penalties".

Um dia, Jorge Valdano, escreveu que o futebol pode ser cruel com as suas crias. É verdade. O futebol pode, mas o benfiquismo não.

sexta-feira, junho 19, 2009

Ideias

A blogoesfera benfiquista anda em brasa com a pré-campanha eleitoral. Infelizmente não se conseguiu fugir no insulto e provocação aos simpatizantes das várias “facções” mas isso também é “normal” nas eleições do Benfica. O amor ao clube cega-nos e leva-nos a reacções por vezes exageradas. Pede-se uma discussão de ideias e não de pessoas mas até ao momento não temos tido ideias para discutir, tirando as excelentes ideias do projecto Farmácia Franco que são a excepção neste deserto de projectos que tem sido esta fase da campanha. Procurando fugir um pouco a isso lanço eu algumas ideias de algo que o futuro presidente do SLB e sua equipa deviam, obrigatoriamente, seguir:

- Defesa intransigente do Sport Lisboa e Benfica perante os ataques sofridos – Isto é denunciar sempre, semana a semana se for preciso, todo e qualquer prejuízo que o clube sofra pela acção de um árbitro nos jogos a disputar das competições internas. Temos que ter noção, de uma vez por todas, que disputamos uma competição viciada. Fazê-lo de boca calada não resolve absolutamente nada. Mas estas denuncias não podem vir do treinador e/ou jogadores mas sim de dirigentes como um Director de Comunicação. No início de cada época definir claramente quais as regras para a imprensa e avisar que um órgão de comunicação social que emitir uma notícia falsa sobre o Glorioso fica automaticamente impedida de frequentar as instalações do clube. Seja quem for. Todas as notícias vindas dentro do clube devem ser transmitidas primeiro pelos canais informativos do clube.

- Contratação criteriosa de jogadores – É muito mais simples do que parece. Se vamos contratar jogadores eles têm que ser ou para posições que estamos carenciados ou claras mais valias para o plantel. Contratar jogadores jovens estrangeiros só quando estamos perante um achado de muito valor, de alguém com um potencial fantástico a um preço acessível. Tirando estas situações o clube deve apostar claramente nas suas camadas jovens. É importante libertar os fundos que existirem para as contratações de jogadores de top, das tais mais valias inequívocas. E defender os mesmos depois de cá estarem. Defendê-los após uma exibição menos conseguida, defendê-los após uma época fraca.

- Fortalecer a ligação com os adeptos – Coisas tão simples como no fim de cada jogo os jogadores irem agradecer aos adeptos, principalmente nos jogos fora. Reconhecer o apoio dos mesmos, elogiar, abrir mais vezes os treinos aos adeptos, discurso pró adepto e não anti.

- Publicidade nas camisolas – Nunca, mas por nunca mesmo, autorizar sapos e logos azuis no nosso sagrado equipamento. E que tal exigir exclusividade nos patrocínios? O Benfica é o Benfica. Fazer valer a nossa força. Não devem faltar interessados em ter o nome estampado na mais gloriosa camisola nacional.

- Controle financeiro – Fundamental para o futuro do Sport Lisboa e Benfica. Não ceder a tentações populistas de grandes contratações. Gastar o que se pode. Tão simples como isso. Parcerias, merchandising, investimentos, etc, concerteza que não faltarão ideias com profissionais do sector para dar ainda mais força à Marca Benfica.

- Relações com outros clubes – Somos o maior clube nacional mas não competimos sozinhos. Promover a aproximação com os outros clubes permitirá o abrandar do clima anti-Benfica que se assiste em muitos estádios. Estarem connosco torna mais difícil que outros os empurrem contra nós.

- Site - Com a tecnologia que existe hoje em dia é perfeitamente possível construir um site fantástico com mil e uma possibilidades. Videos históricos do clube, entrevistas, grafismo moderno, etc. É uma pena ver uma ferramenta tão potente estar tão pobre...

quinta-feira, junho 18, 2009

Tacuara


"O avançado paraguaio do Benfica Óscar Cardozo é considerado o jogador mais caro no atual mercado de transferências de entre um grupo de 13 jogadores do campeonato nacional, de acordo com um estudo do Frontier Economics divulgado esta quinta-feira.

A Frontier Economics, a pedido da Lusa, realizou um estudo no gabinete da consultora em Madrid, utilizando um complexo modelo estatístico baseado em técnicas econométricas com o objetivo de determinar o valor dos maiores futebolistas do Mundo. Já ontem esta empresa anunciou que o real valor de Messi é superior ao de Cristiano Ronaldo por 34 milhões de euros."

"Ranking" da Frontier Economics:

1. Óscar Cardozo (Benfica) 22 milhões de euros
2. Bruno Alves (FC Porto) 18 milhões
3. Lucho González (FC Porto) 17 milhões
4. João Moutinho (Sporting) 17 milhões
5. Lisandro López (FC Porto) 16 milhões
6. Di Maria (Benfica) 16 milhões
7. Hulk (FC Porto) 16 milhões
8. Luisão (Benfica) 15 milhões
9. Raul Meireles (FC Porto) 11 milhões
10. Cristian Rodriguez (FC Porto) 10 milhões
11. Miguel Veloso (Sporting) 10 milhões
12. Nené (Nacional) 10 milhões
13. Liedson (Sporting) 5 milhões

Em primeiro lugar devo dizer que estarei contra uma eventual saída do Cardozo. Os melhores são para ficar principalmente se aspiramos a ganhar alguma coisa.
Mas se por alguma força maior ele sair espero que a nossa direcção não faça mais um dos "brilhantes" negócios que tem feito sempre que vende um jogador.

Para além disto é interessante saber que os mitos vivos Hulk, Bruno Alves, Lucho, Lisandro, Mete Nojo Rodrigues... valem todos menos que o nosso nº 7!

terça-feira, junho 16, 2009

Jorge Jesus

O Sport Lisboa e Benfica acabou de anunciar à CMVM o acordo com Jorge Jesus para ser treinador principal do clube nos próximos dois anos. Finalmente a novela treinador acabou.

Esquecendo o contexto envolvente e olhando apenas e só ao treinador em questão posso afirmar que estou contente. Jorge Jesus é, desde o ano passado, um dos nomes que defendo para treinador do Benfica. É um belíssimo treinador, actualizado, profissional, competente. Conhece muito bem o futebol nacional, está a par de todas as particularidades que o nosso campeonato contempla e conhece já os jogadores não só nossos como os adversários. Isso para mim é uma enorme mais valia. Depois temos o facto inequívoco que Jesus pôe as suas equipas a jogar futebol agradável e de procura pela vitória, algo fundamental no Benfica. Tem neste momento o desafio da sua vida e mais que ninguém Jesus quererá triunfar no clube pois Jesus é daqueles treinadores que quer vencer, que tem enorme ambição e é disso que o Benfica precisa. O Benfica vai puxar por Jesus mas não tenho dúvidas que Jesus vai puxar pelo Benfica.

Mas não abafo o facto de o problema do Benfica ir para além do treinador. Vai muito além do treinador. É preciso que a estrutura o apoie, mas que o apoie a sério e não como aconteceu com Quique onde esse apoio durou enquanto estivemos lá em cima. Se Jesus é a cara escolhida para liderar o projecto então que se esteja ao lado dele sempre e até ao fim. E, acima de tudo, que o defendam quando as maroscas habituais do nosso campeonato começarem a apertar o Benfica. Que não o deixem sozinho a lutar contra os adversários e os homens do apito. A estrutura tem que defender o treinador. E isso tem falhado nos últimos anos. Muito.

Falar daqui a seis meses será fácil. Não faço previsões, Jorge Jesus pode falhar como tantos outros falharam antes dele. Mas quando olho para Jorge Jesus encontro tudo aquilo que preciso para acreditar que temos um excelente treinador aos comandos da equipa.

Não me esqueço das palavras proferidas por Jesus após o Benfica-Braga e a reacção muito menos enérgica após o roubo sofrido nos jogos contra os corruptos. Mas também sei que era o seu patrão e com quem o dito tem enorme "amizade". Adiante...

Caríssimo Jorge Jesus, bem vindo ao maior clube do mundo. Espero que seja o início de uma relação cheia de sucesso e alegrias. Eu confio em si. Bem vindo ao Sport Lisboa e Benfica.

O Movimento

Finalmente o Movimento Benfica Vencer, Vencer apresentou-se à família benfiquista e nos próximos dias, concerteza, irá dar-se a conhecer. Mostrar quem são e quais as ideias que sustentam o Movimento.

Do pouco que foi possível conhecer na transmissão da SIC Notícias apresentaram-se duas caras: Varanda Fernandes e Rui Rangel. Não conheço nenhum dos dois portanto posso falar sem qualquer tipo de favor. Ambos disseram aquilo que qualquer benfiquista sente, que estamos numa situação que não se coaduna com a história gloriosa do clube e que precisamos de voltar ao topo. São palavras verdadeiras mas palavras habituais. Infelizmente palavras habituais demais porque o Benfica não consegue estar numa situação em que não sejam precisas mais essas palavras.

O Movimento apresentou-se e, naturalmente, precisa de tempo para se dar a conhecer, mostrar as ideias, projectos, ambições, contactos, etc. É um sinal de vivacidade clubista quando um projecto de oposição ao poder instalado reúne tantos e tantos nomes ligados ao clube e que nos deram enormes alegrias. Mas, e não posso deixar de o dizer, também me assusta ver que nesses nomes se encontram dois que abomino: Vítor Santos e Manuel Damásio. Vi o directo da SIC Notícias com enorme atenção mas no momento em que o Dr.Varanda Fernandes disse que "o pai do estádio está aqui, na primeira fila, o senhor Vítor Santos" deu-me um arrepio na espinha.

Gostei de Fernandes e Rangel. Espero ansiosamente por mais novidades, mais esclarecimentos, conhecer mais do Movimento mas aqueles dois nomes...

segunda-feira, junho 15, 2009

Um Olho à Benfica #11

O Movimento

É já amanhã que, finalmente, o Movimento Benfica Vencer Vencer se formaliza e dá a conhecer aos sócios e adeptos do Benfica. Para quem diz que no futebol não existem vencedores antecipados, este Movimento, demonstra o contrário. É um vencedor antecipado. Não entro na discussão se o Movimento deve ou não apresentar uma lista alternativa, porque sei que a antecipação de eleições, decidida e imposta pelo presidente do Benfica, tinha o objectivo de não deixar que o Movimento pudesse, mais tarde, desdobrar-se numa candidatura imbatível e diferenciadora. E curiosamente, esta é já a primeira vitória do Movimento, a de ter forçado o poder vigente no Benfica a antecipar as eleições de forma a não se confrontar com uma alternativa que o pudesse vencer em Outubro.

Infelizmente, se é uma vitória do Movimento é uma derrota do Benfica. Tanto tempo para preparar este assalto aos estatutos do clube e ao calendário eleitoral definido e no fim de contas, o argumento utilizado é tão pobre como o nosso produto interno bruto. Com quem então, estabilidade? Pois bem, onde é que faltou estabilidade para despedir um treinador e contratar outro, gastando rios de dinheiro nas duas operações? Onde é que faltou estabilidade para contratar três novos jogadores, investindo em conjunto, onze milhões e meio de euros? E, durante os três anos do segundo mandato de Vieira no Benfica, o que é que trouxe de novo para o clube essa decantada estabilidade? Terceiros e quartos lugares na Liga Sagres, o enxovalho do clube na Europa e finalmente 60 milhões de euros gastos inutilmente no reforço da equipa de futebol. Tudo isto foi realizado com grande estabilidade. Um argumento ridículo, porque, na verdade, o que o Benfica precisa é de competência na sua gestão desportiva e de recuperar a linha de gestão financeira que Vieira abandonou no segundo mandato.

Esta é, portanto, a primeira grande vitória do Movimento. Assustou Vieira, obrigando-o a apertar os prazos eleitorais. Obrigou-o, não a convocar eleições, mas sim um plebiscito. E com isso, o presidente do Benfica, como sempre acontece, já fez várias vítimas pelo caminho. Desde logo, Manuel Vilarinho, que não queria eleições antecipadas e foi obrigado a dar a cara por elas. E fê-lo da forma que mais o desprestigiou, pessoal e institucionalmente. Com declarações incríveis sobre os benfiquistas e sobre os possíveis adversários eleitorais. Mas o mais perverso disto tudo é que Manuel Vilarinho dá a cara por uma decisão de Luís Filipe Vieira e uma semana depois, no jantar da Mealhada, o presidente do Benfica surge aos olhos dos benfiquistas como o grande restaurador do ecletismo do clube, entregando numa bandeja, não o leitão que é a especialidade local, mas a cabeça do ainda presidente da mesa da Assembleia Geral. É fantástico, não é?

A segunda vítima chama-se Rui Costa. Duas entrevistas, uma ao jornal A Bola e outra à RTPN. Uma questão preliminar: de que servem os órgãos de comunicação do clube se o nosso director-desportivo, quando decide terminar com um longo e absurdo silêncio, escolhe dois meios exteriores ao clube? De todo o modo, com essas duas entrevistas, Rui Costa fez uma escolha. Legítima e até, do ponto de vista moral, respeitável. Com estas duas entrevistas, Rui Costa aceitou que as agendas pessoais do presidente e do director-desportivo se fundissem. E esse é o perigo com o qual Rui Costa deve agora contar, no seu futuro como dirigente do Benfica. Se Vieira ganhar, ganham os dois. Se Vieira perder, perdem os dois. Deixou de sobrar espaço a Rui Costa para além de Vieira. Tenho pena que tenha sido assim, porque escrevi anteriormente, neste espaço, que Rui Costa seria o presidente em quem os meus filhos votariam, no futuro. Honestamente, agora acredito menos nessa possibilidade. Eu até posso acreditar muito nas ideias e no valor de Rui Costa, mas acredito pouco na capacidade de regeneração desportiva deste Benfica. E como Rui Costa não quis manter-se neutral, perdeu espaço para ser, no futuro, uma peça importante de um Benfica sem Vieira. E é aqui que acho que Rui Costa será mais uma vítima do voluntarismo eleitoral de Vieira e da falência total do seu projecto desportivo. Porque, insisto, se Vieira falhar, não falha sozinho, Rui Costa também falha com ele.

Também por isso, este Movimento Benfica Vencer Vencer. Apesar do escárnio mal calculado de Vieira em relação ao nome do Movimento – teria ele uma predilecção especial por Benfica Perder Perder? –, ninguém passa indiferente a esta iniciativa e às pessoas que o compõem. Porque se trata de um Movimento de benfiquistas, de várias centenas de milhar de sócios do clube, que pensam o Benfica de uma forma diferente da actual direcção e de quem legitimamente a apoia. Não existem abutres nem hienas. Vejo águias, muitas águias, neste Movimento, num voo preocupado e honesto sobre o futuro do clube e sobre a capacidade do Benfica em regressar às vitórias no futebol e à linha de recuperação financeira. E vejo sobretudo, uma oportunidade para a enorme legião de benfiquistas que não se reconhecem no vieirismo vigente no clube, com total atropelo dos valores históricos e culturais do clube. Para esses, que desejam uma mudança, é importante que sintam que a mudança não se faz em casa, nos computadores ou nos cafés. Há um primeiro passo e esse chama-se Movimento Benfica Vencer Vencer. Eu vou lá estar. E você?

PS – Há uma pergunta que os apoiantes de Vieira gostam de repetir, como hipotético valor moral do presidente do Benfica: Onde é que estavam os benfiquistas do Movimento quando Vilarinho arrancou o clube às garras de Vale e Azevedo? É curiosa esta pergunta, porque é de uma memória selectiva que não convence. Porque também se pode perguntar onde é que estava o actual presidente, quando alguns dos benfiquistas que compõem e apoiam o Movimento eram destratados e fisicamente ameaçados nas assembleias gerais do Benfica, montadas para gáudio pessoal de Vale e Azevedo? E já agora, o que será que cada benfiquista dirá, no futuro, quando lhe perguntarem: “E tu, onde é que estavas no 16 de Junho de 2009?”

Soltas #84

- Esta deverá ser uma semana de novidades para o Sport Lisboa e Benfica. Deve ser a semana em que o treinador será anunciado e a confirmação de algumas candidaturas à Presidência do clube.

- Os jornais avançam com tácticas que Jesus já tem em mente, jogadores revelam que foram contactados pelo próprio, o Presidente do Braga ameaça com queixas e denúncias. Seria um prato se o treinador apresentado pelo Benfica não fosse Jorge Jesus.

- O futebol jovem do Benfica tem estado em destaque, conquista de títulos e disputas dos mesmos até ao fim demonstram que há algum trabalho de qualidade a ser feito nos escalões jovens do clube. A afirmação de Miguel Vítor no plantel principal mostra que podemos e devemos confiar nos nossos jovens e estes podem e devem acreditar que o Benfica lhes dará oportunidades.

- Gostava de um dia perceber como é que os jornais resolvem escolher os nomes dos jogadores que o Benfica está interessado. É cada opção que eles encontram que impossibilita sequer pensar que a informação sai de dentro do clube. Com a quantidade de jogadores que eles dão como alvos do Benfica aquilo não seria uma fuga de informação mas sim uma debandada geral de informação...

- Por acreditar que esta relação com os jovens se deve proceder desta forma é que fico sempre um pouco desiludido quando se contratam desconhecidos, por valores já significativos. Não ponho em causa a qualidade dos jogadores, até porque não os conheço, mas não haverá no Benfica uma solução ao nível do jogador contratado para a lateral esquerda?

- Vieira ainda não assumiu a candidatura mas ninguem tem dúvidas que o vai fazer, Bruno Carvalho é a única alternativa oficial. Pelo menos mais dois movimentos de adeptos preparam-se para mostrar a "cara". Esperemos que sim, que surjam várias alternativas e que do debate se faça "luz" para o futuro do Benfica.

- Cristiano Ronaldo fez correr muita tinta este fim de semana. É natural dado que foi o alvo da maior transferência de sempre do futebol mundial, mas saber quantas loiras ou morenas ele teve no quarto de Hotel em Las Vegas parece-me exagerado. Um puto de 24 anos, milionário, queriam o quê? É agora que ele tem que se divirtir. E até hoje nunca ninguem o acusou de falta de aplicação ou de falta de profissionalismo.

sexta-feira, junho 12, 2009

160 milhões

O mundo do futebol já conhece Florentino Perez, sabia perfeitamente que se ele fosse eleito Presidente do Real Madrid que teríamos, novamente, a busca pelos galácticos. Perez não faz a coisa por menos e vai sempre atacar os melhores jogadores do futebol actual e, numa assentada, contratou dois dos melhores jogadores do Mundo: Kaká e Cristiano Ronaldo. Os valores são astronómicos, 65 milhões pela estrela brasileira e 93 milhões pelo melhor jogador do mundo. Sem contar com os milionários ordenados.

Não ponho em causa a qualidade dos jogadores, são de facto dois dos melhores jogadores do mundo, mas será que vale a pena gastar tanto dinheiro em apenas dois jogadores? Acredito que com 160 milhões de euros à disposição seria capaz de construir uma super equipa, que este dinheiro chega para adquirir 5/6 jogadores de nível mundial capazes de dar equilíbrio a uma equipa com aspirações a ganhar tudo. De que vale ter dois dos melhores se depois falta qualidade no resto da equipa?

Como sempre Perez começa a construção pelo telhado. Veremos se a táctica irá funcionar como no tempo dos primeiros galácticos. Kaká e Ronaldo na mesma equipa. Só mesmo Florentino Perez...

quinta-feira, junho 11, 2009

Rui Costa à RTPN

O Benfiquismo de Rui Costa é inatacável. A sua postura, elevação e frontalidade são uma pedrada no charco podre que é o dirigismo do futebol português. Rui Costa respondeu a todas as perguntas, não se esquivou em meias palavras, não fez promessas vãs, não fugiu a responsabilidades. As perguntas de Carlos Daniel foram perguntas óbvias e relativamente fáceis mas isso também é o normal no jornalismo português. Vários assuntos foram abordados com Rui Costa a responder a tudo:

- Jorge Jesus - Não confirma nem desmente, o que é perfeitamente natural. É um treinador que se enquadra naquilo que o Benfica pretende. Deverá ser apresentado em breve o novo treinador e se não for Jorge Jesus será uma grande surpresa. E afirmou claramente que seja qual for o treinador escolhido será sempre com o seu aval porque senão saíria do clube.

- Quique Flores - Rescisão acordada entre ambas as partes por sentirem que o espaço de manobra para a próxima época estava muito reduzido. Totalmente de acordo ao que eu penso. A não evolução da equipa em termos futebolísticos teve muito peso na decisão.

- Jogadores - Carlos Daniel fez imensas perguntas sobre imensos jogadores e Rui Costa respondeu a tudo. Shafter está quase contratado, Álvaro Pereira foi alvo de negociação mas o Cluj não aceitou os termos do Benfica, o guarda redes argentino é um nome entre vários e Rui Costa considera-o muito bom, Reyes se houver dinheiro é para ficar, Adu é para reavaliar estando o clube aberto a qualquer solução, não há propostas por nenhum dos nossos jogadores, Nuno Gomes tem proposta de renovação nas mãos e basta aceitar para ficar, mais reforços chegarão em breve.

- Vieira - Sintonia com o Presidente o que é perfeitamente natural. É com ele que está a trabalhar e se não saíu é porque está com Vieira. Para o bem e para o mal como é óbvio. Logicamente que utilizou o mesmo argumento da Direcção para a questão das eleições antecipadas. Não concordo mas a sua posição naturalmente que seria esta.

- Época - Reconheceu o fracasso da mesma, as coisas não sairam como esperado apesar de estar satisfeito e de consciência tranquila de ter construído um excelente plantel. Mas a equipa não evoluiu como desejado e, apesar do orgulho de ter conquistado um titulo no primeiro ano como dirigente, a época foi um fracasso para as ambições do clube. Reconheceu erros e indicou caminhos para os não repetir. Assim seja.

- Veiga - Sinceramente não percebi. Fiquei com a sensação que Rui Costa estava a negar a frase citada n'A Bola dizendo que nem ele nem Veiga alguma vez tinha dito que era impossível trabalharem juntos. Afastar totalmente essa possibilidade é algo que choca com a ideía que tenho de Rui Costa, seria incompatibilizar-se com alguém que já trabalhou e, quem sabe, pode vir a trabalhar de novo no Benfica e não vejo como o Rui seja capaz disso. O seu amor ao clube é grande demais para isso.

- Arbitragens - Como um Senhor que é não quis abordar muito o assunto. Reconheceu que fomos prejudicados em alguns jogos importantes da época, que os castigos que sofreu não fazem sentido quando comparados com outros castigos de outros intervinientes. A minha opnião é conhecida sobre este assunto. Com esta postura não vamos lá. Temos que ser muito mais duros e agressivos na questão das arbitragens.

Uma entrevista curta sem rasteiras em que Rui Costa respondeu a tudo. Sem rodeios. Não gosto de Vieira nem um pouco mas Rui Costa ainda tem muito crédito. Só peço que mantenha esta postura e não se deixe vergar.

quarta-feira, junho 10, 2009

Mais uns para o sr. Vilarinho achincalhar

CAMPEÕES NACIONAIS DE INICIADOS

Seguir em frente

Após a decisão da Direcção em antecipar as eleições para 3 de Julho e depois de termos desabafado o que havia a desabafar sobre a situação não resta outra alternativa do que seguir em frente.

É tempo de campanha eleitoral. Vieira deve mostrar que merece novamente a confiança dos benfiquistas, deve mostrar e tentar explicar o que irá mudar nos próximos anos e a oposição, se existe, terá que se chegar à frente rapidamente. Não é a forma desejada, não é o timming previsto mas é a realidade que existe e por isso, a bem do Benfica, é importante que a oposição mostre cara, que as alternativas se dêem a conhecer, que seja possível comparar e debater projectos.

Não tenho ilusões, sei que será uma campanha cheia de tricas e quezílias onde se irão debater mais ataques pessoais e menos ideias mas, espero que, mesmo assim, seja possível extrair algum sumo que permita apontar diferenças de projecto, de personalidade, de visão entre os possíveis candidatos e escolher algo que traga de volta o Glorioso Sport Lisboa e Benfica que tanto desejamos.

É hora de arregaçar as mangas e trabalhar.

segunda-feira, junho 08, 2009

Eleições Antecipadas

O Sport Lisboa e Benfica vai ter as eleições para a Presidência antecipadas para dia 03 de Julho.

Quando neste blog se debateu a possibilidade de eleições antecipadas nunca foi neste molde. Isto é uma táctica baixa para impedir o surgimento de qualquer lista alternativa com força para derrotar Vieira. É notório que Vieira se sentiu incomodado e preocupado com as movimentações de bastidores que se estavam a verificar na família benfiquista. Vai daí resolver fazer cair a Direcção para obrigar a eleições antecipadas.

Gostava muito que o plano desse errado. Que as alternativas se cheguem à frente, dêem a cara. Vieira tem que sentir que o Benfica não é um brinquedo seu.

E agora? Ficamos sem treinador até 03 de Julho? As negociações de jogadores ficam em stand-by? Inacreditável.

Vieira tinha sido homenzinho se tem proposto eleições antecipadas, para esta altura, há uns bons meses atrás. Agora isto é um ataque ao espírito democrático que o Sport Lisboa e Benfica sempre se honrou de ter.

Quique OUT

Finalmente houve resolução da questão Quique Flores e o treinador espanhol e o clube chegaram a acordo para a rescisão de contrato entre ambos.

Uma parte da novela está resolvida. O ciclo de Quique, como esperado, acabou ao fim de um ano. Quique Flores teve muitas culpas na situação em que se colocou mas também houve factores externos que em muito influenciaram o resultado final. Ignorar esses factores é um erro terrível que os benfiquistas cometem.

Em breve falaremos do futuro pois não irá demorar a que existam novidades na vida do clube. A escolha ou anúncio do novo treinador deve estar por dias, senão mesmo por horas. Volto a repetir que Quique tem culpas no cartório mas se a estrutura nada fizer em relação aos tais factores externos provavelmente daqui a um ano estaremos de novo com esta conversa de novos treinadores...

domingo, junho 07, 2009

Campeões!!!

Só vitórias na fase regular, apenas três derrotas em todo o campeonato e esmagadores nos jogos da final. 14 anos depois o Sport Lisboa e Benfica sagra-se campeão nacional de basket.
PARABENS!!!

quinta-feira, junho 04, 2009

Um Olho à Benfica #10


Vieira vs Veiga


Se bem se lembram, o Benfica, no tempo de Vale e Azevedo, custava-lhe bastante cumprir com os pagamentos, o clube, se bem se lembram, tinha os fornecedores à perna e muitas ameaças pesavam sobre o Benfica. Um dos maiores credores era o José Veiga, que durante três anos nunca fez uma ameaça, nunca destratou Vale e Azevedo - apesar de tudo era presidente do Benfica - nunca ameaçou o clube com o tribunal - outros grandes benfiquistas e sócios do clube já puseram o Benfica em tribunal - e quando chegou a acordo, com a direcção de Vilarinho, aceitou perder imenso dinheiro para resolver o problema.

Foi nesta altura que Vieira, gestor profissional do futebol do Benfica no mandato de Vilarinho, percebeu o benfiquismo de Veiga, que era uma pessoa séria e que aceitou perder dinheiro para resolver um problema ao clube. Foi nessa altura que ambos começaram a relacionar-se. E não tenho dúvidas, se não fosse a influência de um administrador sobre o presidente do Benfica, ainda os dois estariam a trabalhar juntos no clube e já teriam voltado a ser campeões.

Foi, portanto, com Vieira que Veiga entrou no Benfica. E antes de ser director-desportivo, ajudou-o em tudo o que pôde. Na fase em que Jesualdo assistia à decomposição da sua autoridade no balneário, foi a Veiga que Vieira pediu ajuda, contratando, por sugestão de Veiga, um treinador de personalidade e com perfil de liderança: Camacho. E com bons resultados.

A relação entre ambos foi-se aprofundando e mais tarde, José Veiga conseguiu convencer LF Vieira a contratar Simão – na reunião com o Banco, que viria a montar toda a operação financeira dessa contratação, Manuel Vilarinho e Vieira estavam como dirigentes e Veiga foi convidado como especialista na avaliação de activos futebolísticos. Quando o banco chegou à fase dos avales pessoais, Vieira atravessou-se e Vilarinho recuou. Quando os senhores do banco perguntaram a Veiga se também se atravessava, este respondeu que devia ser Vilarinho, como presidente a fazê-lo, mas perante a recusa do presidente e perante a iminência de se estragar o negócio da contratação de Simão ao Barcelona, Veiga juntou-se a Vieira nos avales pessoais –.

A relação de Vieira com Veiga foi-se aprofundando, agora que o ex-presidente do Alverca sentia o terreno mais firme, porque tinha o auxilio de uma pessoa que conhecia o mercado e os jogadores. E foi assim que o Benfica contratou Luisão, Tiago, Ricardo Rocha, Armando, Fyssas, Geovanni – também por indicação de Camacho -. E foi assim que se construiu o início de um sucesso relativo no Benfica, que culminou com a vitória na Taça de Portugal, numa final disputada com o FC Porto de Mourinho, duas semanas mais tarde campeão da Europa. Foi esta relação que ajudou Vieira a perceber que, ascendendo à presidência, como veio a acontecer, não podia prescindir de Veiga. E deve reconhecer-se que foi uma decisão corajosa, porque quebrou com um paradigma existente no Benfica de contratar figuras muito ligadas ao clube mas que, claramente, não tinham perfil de liderança e conhecimentos da curiosa orgânica do futebol português. E porque Vieira – outra coisa que deve reconhecer-se ao actual presidente do Benfica – foi dos primeiros a aperceber-se do benfiquismo existente em José Veiga.

Aliás, benfiquismo que eu não contesto em Luís Filipe Vieira. Acho de um tremendo mau gosto esta constante referência ao facto de ser sócio do FC Porto. É uma situação que lhe escapa e que, a meu ver, não diminui o seu benfiquismo. Podia ter resolvido essa questão há muito tempo, mas apenas Luís Filipe Vieira pode explicar porque nunca o fez. Mas não acho correcto desconfiar-se do benfiquismo de Vieira. O presidente do Benfica não é menos benfiquista do que nós, assim como Veiga não é menos benfiquista do que nós. E quem desconfia disto, não o faz coerentemente, fá-lo porque repetir essas duas mentiras abre espaço à crítica desmiolada que se adora fazer aos dois. É isso e continuar a considerar que Veiga ou que Vieira são farinha do mesmo saco. Mas qual farinha? E que saco? Alguma vez estes dois senhores fizeram alguma coisa que tivesse desonrado a tradição e cultura do clube?

No caso de Veiga, são as comissões, são os problemas com a justiça, eu sei lá, um relambório de falsidades que nunca mais acaba. No caso de Vieira, são negócios em Angola, são negócios aqui e acolá. Eu pergunto, se o presidente do Benfica é empresário, então qual é o mal de fazer negócios com as suas empresas? Enriqueceu? É sinal de que é bom empresário e não mau presidente. Se calhar tem mérito, como presidente do Benfica conseguiu gerar fortuna nas suas empresas. Outro, como presidente de um clube, conseguiu estourar com as empresas da família. Acho que os benfiquistas devem discutir o Benfica e não a vida privada das pessoas, sobretudo, quando está demonstrado que nem José Veiga nem Vieira são os patifes que muitas pessoas cegamente descrevem.

Eu critico Luís Filipe Vieira? Critico. Como presidente do Benfica e não como empresário e cidadão. Porque tem uma presidência assente num modelo de governo desportivo completamente esgotado. E porque o Benfica precisa de títulos, não precisa da lenga-lenga da recuperação financeira. E principalmente porque o actual deserto desportivo do Benfica já atingiu fortemente essa ideia de reforço da recuperação económico-financeira. Mas é só isto que devo criticar. Tudo o resto vai muito para além do chinelo e muito para além do que deve ser a discussão sobre o Benfica.

E sobre Veiga, seria útil que as pessoas se detivessem sobre o que é verdadeiro nele e não nessa discussão fútil, falsa e esgotada sobre a alegada e fantasiosa escuridão dos seus negócios. Foram todos escrutinados pela justiça, pelo fisco, pela imprensa e pelo maior tribunal de todos, a opinião pública. Não foi condenado em nenhum, saiu sempre de mãos limpas e com o registo criminal impecável. E isto devia bastar para que as pessoas parassem com estas tentativas de execução sumária, contra Vieira ou contra Veiga.

Não sei se eles se enfrentarão nas próximas eleições. Se o fizerem, que sejam os dois suficientemente astutos e benfiquistas, ao ponto de resistirem aos impulsos de alguns dos seus apoiantes – é sempre o problema de uma facção, não tanto o líder, mas o seguidismo zaragateiro e oportunista – de se entregarem a uma luta eleitoral fratricida.

E principalmente que se lembrem que o Benfica está acima deles e de nós. E que existe um senhor, a Norte, que é o nosso principal adversário, a quem convém todo este ambiente de divisão entre os benfiquistas. Uma eventual discussão eleitoral entre Veiga e Vieira não é uma luta de facções, não é o Benfica de Alverca contra o Benfica do Luxemburgo. Seria apenas uma luta eleitoral entre dois homens que já ganharam juntos no Benfica e que, agora, vão perder juntos, se optarem pela via do insulto e da lavagem de roupa suja. Até porque, estou convencido, nem um, nem outro, têm dessa roupa para lavar. Pelo menos, não lhes conheço grandes nódoas de fruta ou de chocolate . E sabem porquê? Porque podem ambos ter muitos defeitos, mas vestem os dois à Benfica. Convençam-se disso. Eles e os apoiantes de ambos.


PS - Meu caro Vasco, apenas um esclarecimento sobre o que está escrito no Vedeta da Bola e que é ilustrativo de uma certa penúria de argumentos que alastra a certos sectores da blogosfera. Todos os exemplos que nos trouxe até aqui, são falsos. Redondamente falsos. Completamente falsos. E se calhar até, intencionalmente falsos. Nem Veiga tirou Paulo Sousa do Benfica - apenas no ano seguinte contactou pela primeira vez com Paulo Sousa, tendo recebido do Paulo um mandato de três meses para o transferir para Itália, o que sucedeu, no caso para a Juventus - nem desviou Jardel para o Sporting - quem desviou Jardel para o Sporting foi o presidente Manuel Vilarinho ao deixar cair o compromisso eleitoral que tinha com o jogador.

Orgulho

Não sou fã da modalidade, pouco percebo das regras e tenho a sensação que os azuis foram mais fortes na totalidade dos 5 jogos desta final mas esta equipa de andebol do Sport Lisboa e Benfica enche-me de orgulho. A atitude, a garra, o empenho e a qualidade que demonstram em campo, o espírito de união, a vontade de vencer a cada jogo é tudo aquilo que significa ser Benfica. Elogiar quando se ganha é fácil e vem de todos os lados. Ontem não venceram mas o Mágico SLB não quer deixar de parabenizar toda a equipa, jogadores, treinadores, staff clínico,dirigentes por elevarem bem alto o glorioso nome do Benfica. Parabéns, vocês são campeões.

Desvio

Os jornais adoram colocar estes títulos nas notícias, os adeptos rivais rejubilam e alguns benfiquistas perdem anos de vida com estas situações.

Eu acho situações destas perfeitamente normais. É normal que um jogador que interesse ao Benfica seja também alvo de interesse de outros clubes, estamos num mercado livre e concorrencial e se um clube oferecer melhores condições financeiras é natural que consiga chegar primeiro a acordo com o clube e/ou jogador. Encarar estas situações como normais permite não entrar em pânico e não ceder às pretensões dos avençados que nos inundam com as manchetes de mais uma contratação perdida para o rival corrupto. Só espero agora que o Benfica e alguns benfiquistas não entrem na onda do "nunca estivemos interessados no jogador". Isso é irrelevante, foi contratado por outro clube, continuemos a nossa vida até porque mais importante que este ou aquele jogador, neste momento, o Benfica precisa é de decidir-se em relação ao treinador. E já agora as declarações de Carlos Moía a atacar Bruno Carvalho por este querer correr com Quique não olhando para o custo dessa acção são, no mínimo, parvas porque limitam totalmente a decisão daqueles que Moía pretendeu defender.

PS: Agora alguem demorar "4 minutos" a assinar revela muitas limitações e, sinceramente, não gosto de brincar com essas coisas...

terça-feira, junho 02, 2009

segunda-feira, junho 01, 2009

Tempo de decidir

O campeonato acabou fez ontem uma semana. É tempo do Benfica decidir o que pretende sobre o cargo de treinador da equipa principal, é tempo do Benfica decidir o que fazer com Quique Flores. As hipóteses são três:

- Manter Quique Flores - Será, possivelmente, a possibilidade mais remota dado a distância óbvia que a Direcção mantêm em relação ao treinador espanhol. A falta de solidariedade para com a equipa técnica na fase final do campeonato é uma farpa que impossibilita um bom relacionamento na próxima época. A choruda indminização a pagar ao espanhol é sempre algo a ter em conta.

- Escolher Jorge Jesus - É o treinador apontado ao Benfica por diversas fontes. A confirmação de Juju nos corruptos por mais dois anos ajuda a esse ponto. Inexplicavelmente o Benfica viu-se envolto numa disputa negando a contratação do treinador português o que irá, infelizmente, provocar algumas complicações caso ele assuma a posição. É um treinador português com know-how suficiente para o cargo, disso não duvido.

- Escolher outro treinador - Se a opção do Benfica for por outro treinador que não Jesus ou Quique o caminho só tem um sentido: escolher um nome sonante que seja suficiente para esquecer toda esta trapalhada. Não há muitos disponíveis no mercado e se nos lembrarmos do montante a pagar a Quique a escolha ainda fica mais reduzida neste tempo de contenção financeira. Nesta situação um nome salta à vista de todos, Scolari. Mas ainda temos Ricardo Gomes ou Le Guen apesar de achar que não são sonantes o suficiente para o ego de Vieira.

Uma coisa é certa, é urgente que os responsáveis do Sport Lisboa e Benfica decidam.