blog

quarta-feira, fevereiro 08, 2006

Gestão de Balneário

Numa época em que os conceitos tecnico-tácticos poucos segredos têm, onde as filosofias de treino são iguais em todas as equipas, onde cada vez mais as "pequenas" equipas se aproximam das "grandes" equipas, acresce de importância o factor psicológico, o factor motivacional, o factor união.
A grande arma do Sport Lisboa e Benfica nos últimos 3 anos foi ter criado uma união de grupo muito forte que lhe permitiu vencer os adversários, teoricamente, mais fortes, arbitragens manhosas, lesões graves, etc. Essa união começou com Camacho, que era um líder puro de balneário, um daqueles treinadores que defende os jogadores contra tudo e todos e que assim ganha a estima de todos os jogadores. Trappatoni recebeu esse grupo e, não fosse ele a velha raposa, fruto da sua enorme experiência em diversos clubes, percebeu essa união e manteve-a sabiamente. É óbvio que Alvaro Magalhães também teve um papel muito importante nesse trabalho interno de balneário, é daqueles que conhece a mistica benfiquista.
Chegou Koeman, um treinador jovem, com pouca experiência em gestão de balneários, talvez com o handicap, como alguem disse num blog, de ter sido um jogador sempre titular nas equipas por onde passou, não tenha, ainda, a sensibilidade para compreender as emoções dos jogadores não titulares.
Souness cometeu o mesmo erro com os ingleses que chegavam na quarta feira e jogavam no sábado a titualares, Koeman fez o mesmo com Karagounis e Micolli e voltou a fazer agora, com Moretto e Robert. O SLB é campeão, manteve a estrutura da equipa, logo quem chega tem que suar muito para ganhar lugar. Koeman antecipou etapas e com isso pode ter fracturado o balneário. Não basta vir dizer que "quem está mal tem que trabalhar mais para ganhar o lugar" ou " quem está descontente pode sair", isto não traz nada, só tensão no balneário.
Hoje em dia só têm sucesso os treinadores que conseguem solidificar e blindar o balneário. O "The Special One" faz disso a sua principal arma com o sucesso que se sabe.

Koeman terá que aprender isso. Tem que ser sensível aos problemas de balneário. Ter um excelente plantel de nada servirá se não houver união entre os jogadores.

3 comentários:

João Bizarro disse...

Concordo

antitripa disse...

Subscrevo! E mais...o laurert robent....por amor de deus....

Bomba do Isaias disse...

Logo na derrota em Alvalade contra uma equipa fraquíssima deu para perceber. Nem as vitórias seguidas podiam ofuscar. Era só uma questão de tempo. Via-se a diferença em como os jogadores celebravam os golos. Via-se na roda antes do início do desafio.
Koeman é mau treinador e sempre será. Tipo Souness. Bons jogadores, campeões europeus, capitães de equipa... que vivem no mundo dos treinadores à custa da sua carreira de jogadores.
Enquanto o Benfica tinha poucas opções - fruto das lesões em Novembro e Dezembro - as coisas não corriam de todo mal.... porque Koeman não podia inventar demasiado. Chegam os reforços - quase todos maus, por sinal, ao contrário do que se diz - e logo Koeman deita tudo a perder. Treinadores como ele são sobretudo perigosos para as suas equipas quando têm mais opções.